Cuidados na gravidez!

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

A gestação certamente é uma das fases da vida mais importantes, principalmente para as mulheres que não veem a hora de chegar esse momento tão esperado em suas vidas. Por isso, todas as medidas que forem precisas para se ter um bom desenvolvimento do bebê devem ser tomadas.

Algumas pacientes com doença inflamatória intestinal que pretendem ter filhos costumam ter muitas dúvidas em relação à gravidez, especialmente no que diz respeito aos medicamentos. Entretanto, com alguns cuidados e acompanhamento de especialistas, é possível realizar o sonho de ser mãe sem grandes riscos. A primeira atitude é planejar a gravidez para o período em que estiver em remissão da doença. O melhor momento para engravidar é até 35 anos de idade, com doença fora de atividade e com a menor dose de medicamentos possível.

Os médicos têm a obrigação de explicar que a mulher tem a capacidade de engravidar conservada, mas não deve engravidar com a DII em atividade e, para isso, precisam disponibilizar os métodos contraceptivos adequados a essa paciente. Também é importante que a paciente esteja com o peso adequado, sem desnutrição e sem anemia, e que receba suplementação de ácido fólico no período periconcepcional, de preferência iniciando dois a três meses antes de liberar para engravidar. Nas mulheres em tratamento com esteroides, devemos tentar entrar na gravidez com a menor dose possível do medicamento e suplementando cálcio e vitamina D para prevenção de perda de massa óssea.

Na gestação, a suplementação de ferro é mais importante ainda, tendo em vista a elevada prevalência da anemia nas pacientes com doença de Crohn, que tende a se acentuar na gravidez. Parece que a gravidez não modifica o curso da DII, mas existem estudos que mostram que cerca de 2/3 das pacientes com doença ativa na concepção têm atividade persistente da enfermidade durante a gravidez, enquanto só 1/3 das pacientes com doença fora de atividade na concepção experimentam crise durante a gestação. Pode-se concluir que a ultrassonografia obstétrica permite à gestante ter muito mais segurança ao longo da sua gravidez, visto que tem a certeza de que, por estar sempre se submetendo a esse exame por imagens, tudo está conforme o esperado, sempre respeitando o período de gestação.


Deixe seu Comentário.



Comentários no Facebook

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×